A Transição

Durante muitos anos, acreditei que precisava urgentemente fazer uma transição de carreira. Encontrar a profissão que me trouxesse realização e estivesse alinhada com quem eu supostamente julgava ser. Ledo engano!

Foi exatamente durante essa mudança profissional que me deparei com a verdade: eu não precisava fazer somente uma transição de carreira, necessitava partir para uma TRANSIÇÃO DE VIDA. PONTO. E cada passo dado em direção aos labor dos sonhos, mas me deparava com a urgência em rever por completo minha existência.

A gente se engana quando acredita que nossa vida é composta por áreas e solta as pérolas: “Ah! Minha vida amorosa não vai bem” ou então “Profissionalmente, não estou realizado”. Peço perdão, mas você precisa saber que essas áreas não existem. Se seus relacionamentos estão problemáticos, existe algo maior que precisa ser resolvido na vida “como um todo”. PONTO (2)

Ocorre que hoje esse problema materializou-se no campo afetivo, mas caso não seja posto em reflexão e solução conscientemente, muito em breve, atingirá saúde física, profissão, finanças, etc. Ou seja, não se iluda. Essa divisão em áreas NÃO EXISTE.

Como seres integrais/holísticos somos afetados como um todo e não parcialmente. Por isso, não adianta fazer “transição de carreira” sem antes transitar primeiramente DENTRO DE SI MESMO! É o movimento em direção ao autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e espiritual que se torna a FORÇA MOTRIZ de qualquer transição.

Os gatilhos de mudança nas “áreas da vida” são apenas uma forma do nosso Eu Superior passar a perna em nosso ego (rsrsrs) para toparmos desbravar quem realmente somos e assim nos conectarmos diretamente com nossa essência e autenticidade.

Se restam dúvidas sobre esse assunto, basta pesquisar o histórico daqueles que hoje se consideram mais felizes, plenos e realizados. Garanto que a mola propulsora foi uma insatisfação inexplicável em alguma “parte da vida”, o que desencadeou uma profundo processo de descoberta e retorno para si.

Portanto, não sejamos ingênuos a ponto de acreditar que seremos felizes se tivermos: dinheiro, relacionamento, emprego novo, saúde, bens materiais, amigos, etc. Pois, é a composição desses pontos E de nosso próprio desenvolvimento pessoal que faz a REAL DIFERENÇA.

Ah! Se eu consegui fazer a “transição de carreira”? Sim! Mas, não sem antes fazer uma transição para dentro de mim. 😉 PONTO (3)

Deixe uma resposta